Como tratar a hipermetropia infantil?

0
0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×

hipermetropia infantil

Segundo o Censo Oftalmológico 2014, realizado pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO), 33 mil crianças brasileiras são cegas por doenças que poderiam ter sido evitadas ou tratadas. De acordo com o estudo, 100 mil crianças têm alguma deficiência visual. Esses dados evidenciam que o que falta às nossas crianças é diagnóstico precoce.

A hipermetropia, que está dentre os problemas mais comuns na infância, é uma dessas doenças que podem ser facilmente diagnosticadas e tratadas.

O que é a hipermetropia infantil

A hipermetropia infantil de nada difere da de um adulto. A condição faz com que os hipermetropes tenham a visão das imagens totalmente desfocadas tanto de perto quanto de longe.

Os principais sintomas nas crianças são o cansaço ocular, a irritação dos olhos e lacrimejamento. Geralmente, essas crianças preferem brincar ao ar livre pois não precisam fazer tanto esforço para focar os objetos. Outro aspecto que evidencia ainda mais a hipermetropia é o estrabismo convergente, que começa a se manifestar em tenra idade.

Tratamento possíveis

Uma vez diagnosticada, a hipermetropia infantil pode ser facilmente corrigida com o uso de óculos. Em exames aplicados nos consultórios, o oftalmologista poderá identificar a necessidade de lentes corretivas.

A hipermetropia é uma condição que pode apresentar variações de grau durante a vida do indivíduo. Geralmente, a infância é o período em que mais ocorre oscilações de grau. Quando adultos, o grau pode se tornar estável e até regredir a ponto dos óculos não se fazerem mais necessários a certas distâncias. A partir dos 18 anos a cirurgia é indicada, dependendo do caso. Por isso, é importante acompanhar o quadro com um especialista.

hipermetropia infantil

Se a criança apresentar estrabismo convergente, no entanto, a cirurgia pode ser uma opção ainda na infância. Nesses casos, a criança está mais sujeita a tentar acomodar os olhos, fazendo que um deles se torne mais preguiçoso. Esse olho, que não faz o mesmo trabalho que o outro pode começar a perder a utilidade para o cérebro, que deixa de receber seus sinais. Nesse processo, se a intervenção não for feita de imediato, a criança poderá perder a visão do olho preguiçoso.

Hipermetropia infantil e fatores hereditários

Em geral, os casos de hipermetropia infantil são acompanhados de fatores genéticos. Por isso, quando há um dos pais ou parentes próximos com histórico de hipermetropia e estrabismo convergente, o exame deve ser ainda mais precoce e determinado a investigar possíveis desvios nesse sentido. A rápida detecção é garantia de melhores resultados.

A condição, no entanto, pode se manifestar em crianças sem histórico familiar, uma vez que é o tipo de desvio de refração mais comum nessa faixa etária. Pequenos graus muitas vezes acabando passando despercebidos durante algum tempo. Quando as oscilações começam a acontecer, a criança pode começar a demonstrar irritabilidade, ardência nos olhos e os sintomas acima citados. Um dos primeiros sinais é a alteração no comportamento.

Para o diagnóstico correto da hipermetropia infantil, é preciso encaminhar a criança a um especialista. Só um médico oftalmologista está apto a realizar exames e fechar o diagnóstico para cada caso.

Quer saber mais sobre hipermetropia infantil? Conheça nosso blog e tire suas dúvidas sobre todas as condições que podem afetar a saúde ocular das crianças.

 

Responsável técnico: Dr. Jorge Mitre | CRM: 28420

Comentários no Facebook

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 0 Flares ×